Me visitam

outubro 10, 2011



"Você me pergunta: que que eu faço? Não faça, eu digo. Não faça nada, fazendo tudo, acordando todo dia, passando café, arrumando a cama, dando uma volta na quadra, ouvindo um som, alimentando a Pobre. Você tá ansioso e isso é muito pouco religioso. Pasme: acho que você é muito pouco religioso. Mesmo. Você deixou de queimar fumo e foi procurar Deus. Que é isso? Tá substituindo a maconha por Jesusinho? Zézim, vou te falar um lugar-comum desprezível, agora, lá vai: você não vai encontrar caminho nenhum fora de você. E você sabe disso. O caminho é in, não off. Você não vai encontrá-lo em Deus nem na maconha, nem mudando para Nova York, nem.




Eu preciso avisa-los de que essa mudança não depende somente de mim, e que não espero salvar nada além da minha pele, diga a todos que não quero redenção do meus pecados, quero viver em paz, com eles. Não me doutrine, me ajude, não ensine, me ouça, eu não procurei o caminho, eu estou apenas tentando vencer as barreiras que me impedem de caminhar.
Eu quero apenas um abraço, não um sermão, é na vivência que quero aprender, não através da esperiencia alheia, não me de uma estrada, não me mostre a direção, apenas não me impeça de ver com meus próprios olhos. Não duvido de você, mas eu sei que o que existe e maior do nos dois, eu nao quero compreender nada disso agora, nem acho que será possível a mim algum dia essa compreensão, não me venda lotes no céu, não me mostre o caminho da luz, eu preciso me arranjar, eu preciso me reequilibrar, aprender na terra qualquer coisa que ela queira me ensinar, eu não vejo outra saída, que minha humanidade não se perca nessa purificação da minha alma, eu preciso das duas coisas para ser completa.

Um comentário:

Vanessa Souza Moraes disse...

Não fazer nada, é fazer alguma coisa.